A importância da agricultura familiar para o desenvolvimento sustentável
12 de Agosto de 2020

A importância da agricultura familiar para o desenvolvimento sustentável

A agricultura familiar é fundamental para o desenvolvimento econômico do Brasil já que, além de ser a principal fonte de renda de milhões de famílias, oferece mais oportunidades de trabalho do que a chamada agricultura patronal. Dessa forma, se torna uma das principais saídas para a erradicação da fome e da pobreza de uma forma sustentável.

A agricultura familiar é definida pelo cultivo da terra por pequenos proprietários rurais e tem como principal mão de obra o núcleo familiar, ou seja, não utiliza trabalhadores contratados. Esse tipo de cultivo aplica menor quantidade de agrotóxicos, o que reduz os impactos para o meio ambiente e a saúde dos consumidores.

Uma das principais características da agricultura familiar é a produção a partir de lotes de terra menores e com maior diversidade produtiva. Assim, a família é proprietária, gestora e responsável por todo o processo de produção e comercialização dos produtos.

Esse setor também utiliza menos maquinários, reduzindo os prejuízos ao solo e o desperdício de recursos naturais. Por isso, a valorização desses produtos fomenta uma forma de produção ecologicamente responsável e representa uma  iniciativa com potencial para ampliar a distribuição de renda e a produção de alimentos.

Portanto, além da agricultura familiar fazer parte de políticas de combate à fome, também contribui para a geração de empregos, principalmente no campo, e o crescimento econômico nas áreas rurais e urbanas. Com isso, contribui para a qualidade de vida dos produtores e consumidores sem colocar em risco a biodiversidade local. 

Agricultura familiar e desenvolvimento sustentável no Brasil

Recentemente os moradores de áreas urbanas têm percebido a importância do consumo de alimentos orgânicos e locais, pois oferece diversos benefícios para a saúde e coloca em prática o consumo sustentável. Dessa forma, o incentivo à agricultura familiar e orgânica nos últimos anos também fomenta a sustentabilidade econômica, social e ambiental.

No Brasil, a agricultura familiar é a maior responsável pela produção de alimentos no país. De acordo com o IBGE, existem 4,4 milhões de famílias agricultoras, o que corresponde a 84% dos estabelecimentos agropecuários. Além disso, essa forma de cultivo é responsável por cerca de 33% do valor total da produção do meio rural.

Por isso, além de fornecer grande parte dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros, esse se tornou um setor-chave para a criação e execução de políticas públicas, incentivos financeiros e formulação de leis e normas. Além disso, existem programas de compra direta de produtos de agricultura familiar pelo governo para as merendas escolares de escolas públicas.

Essa é uma forma de garantir a boa qualidade dos produtos oferecidos aos alunos, incentivar o consumo de alimentos orgânicos e saudáveis e ainda abrir o mercado para gerar aumento da renda dos agricultores familiares. A economia local também pode ser desenvolvida de maneira sustentável com benefícios a todos os envolvidos.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU

O segundo objetivo de desenvolvimento sustentável da ONU é “Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável”. Entre as metas para atingir a fome zero e agricultura sustentável está:

“Até 2030, garantir sistemas sustentáveis de produção de alimentos e implementar práticas agrícolas resilientes, que aumentem a produtividade e a produção, que ajudem a manter os ecossistemas, que fortaleçam a capacidade de adaptação às mudanças climáticas, às condições meteorológicas extremas, secas, inundações e outros desastres, e que melhorem progressivamente a qualidade da terra e do solo”.

Por isso, o escritório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) adotou uma iniciativa regional que coloca a agricultura familiar como uma das formas de contribuir para a América Latina alcançar a erradicação da fome e da pobreza, dois objetivos de desenvolvimento sustentável (LINK) que devem ser alcançados até 2030.

De acordo com a organização, as metas dependem das ações do governo e da própria FAO, mas também da capacidade da agricultura familiar de criar e promover novas estratégias e alianças. A inovação é um fator essencial para que os ODS sejam atingidos da melhor forma possível.

Entre as medidas propostas está a transformação das famílias de agricultores em agentes transformadores que contribuem para um modelo de desenvolvimento rural sustentável. Com isso é possível desenvolver sistemas alimentares mais inclusivos e resistentes frente a crises econômicas e desastres naturais.

A agricultura familiar também se tornou uma alternativa viável para atender aos novos padrões do mercado que não toleram mais o uso excessivo de água, esgotamento do solo, altos índices de emissão de gases do efeito estufa e desmatamento.

Para saber mais sobre agricultura familiar e desenvolvimento sustentável, acompanhe nosso site ou entre em contato.

Comentários para este post
Leia também
Inscreva-se em nossa newsletter